Anna Forés Miravalles

Per seguir somiant

8 mitos sobre o cérebro que ainda estão presentes em sala de aula

Deja un comentario

http://www.gazetadopovo.com.br/educacao/8-mitos-sobre-o-cerebro-que-ainda-estao-presentes-em-sala-de-aula-0vsdhk87bbkmvry02fxncgiwl

 | Pixabay

 

Escutar Mozart não ajuda a aprender melhor. E também é mentira que utilizamos apenas 10% do cérebro. Esses e outros mitos sobre o cérebro já foram desmascarados, mas alguns deles continuam vivos em sala de aula e influenciando decisões pedagógicas. Confira comentários a alguns deles feitos por Anna Forés Miravalles, professora da faculdade de Educação da Universidade de Barcelona e coautora do livro recém-lançado Neuromitos da Educación, ainda não traduzido para o português, em entrevista para a Gazeta do Povo.

VEJA TAMBÉM: Confira algumas dicas de leitura sobre aprendizagem e neurociência

1) MITO: Português e matemática são as matérias mais importantes para o cérebro

Português e matemática são disciplinas essenciais e costumam ser o foco principal das avaliações realizadas para aferir a qualidade de educação de uma instituição. Mas as matérias menos reconhecidas pelas leis de educação de diferentes países são as que auxiliam o cérebro a funcionar melhor, afirma Anna Forés. “Os estudos de neuroimagem mostram que disciplinas como artes, filosofia e educação física são as que realmente ajudam a aprender mais”.

2) MITO: Crianças precisam ser ensinadas de acordo com o canal que aprendem melhor (visual, auditivo, cinestésico)

Na verdade, a aprendizagem é incompleta se uma criança é ensinada apenas com imagens (canal visual), ou só pelos sons (canal auditivo) ou ainda restringindo a movimentos (canal cinestésico). “Quanto mais rico é o estímulo, por diferentes canais, maior a utilização do cérebro e a aprendizagem. Se se utiliza apenas um canal, estamos perdendo o conhecimento proporcionado pelos outros”.

 

3) MITO: Podemos classificar os estudantes de acordo com sua predominância cerebral, seja do hemisfério esquerdo ou direito

Há muito tempo já não se considera que o lado esquerdo do cérebro seja o único responsável pelo desempenho das funções lógicas, por exemplo, e o direito pelas funções artísticas e criativas. Somente uma lesão cerebral impede a utilização de algum lado do cérebro. Ainda que se identifiquem áreas nos equipamentos de neuroimagem que sempre estão ativas em determinadas atividades, o cérebro parece agir como um todo nas diferentes funções.

4) MITO: Matemática é difícil ou uma determinada pessoa não é capaz de aprender a disciplina

Anna Forés explica a necessidade de distinguir entre o processo matemático, fácil de entender se é feito por meio de jogos e experiências, e a linguagem matemática. “A matemática pode parecer incompreensível para alguns porque a linguagem que a acompanha é difícil”. Quando uma criança entende um conceito matemático manipulando objetos ou por meio de simulações é mais fácil que consiga depois nomear os conceitos e compreender os raciocínios abstratos.

5) MITO: Quanto mais tempo na escola, mais a criança vai aprender

Quantidade não é qualidade. Alunos que ficam muito tempo sentados, apenas recebendo conteúdos, sem movimento do corpo ou experiências, terão menor aprendizagem.

6) MITO: Atividades prazerosas desviam o foco do importante

O prazer é o maior aliado da aprendizagem. As experiências afetivamente positivas são altamente eficazes para adquirir conhecimento. “Tudo que passa pela emoção, irá para a memória e ficará guardado. O estresse, ao contrário, por um mecanismo de sobrevivência que evita o perigo, impede o cérebro de reter informações”, explica Anna Forés.

7) MITO: É preciso dormir apenas o necessário para poder estudar mais

Os equipamentos de neuroimagem mostram como durante o sono o cérebro organiza os conteúdos estudados e fixa o aprendido. Crianças e jovens precisam dormir bem – depende muito de pessoa para pessoa, mas as tradicionais 8 horas continuam a ser um parâmetro – para que esse processo se cumpra. E, muito importante, é preciso desligar o celular, computador ou tablet: com a tela ligada, o cérebro interpreta estar ainda em atividade e será mais difícil conciliar o sono.

8) MITO: Exercícios de “ginástica cerebral” aumentam a inteligência

Exercícios cerebrais não aumentam a inteligência (não se pode mudar o QI de uma pessoa) e também não está cientificamente comprovado que ajudem a melhorar a aprendizagem. “É como ouvir Mozart durante o estudo: mal não fará, mas não há nenhum indício científico da sua eficácia”.

*** Livros sobre aprendizagem e neurociência:

Os Neurônios da Leitura, Stanislas Dehaene, Editora Penso, 2012.

Neurociência e Educação. Como o Cérebro Aprende; Ramon M. Cosenza e Leonor B. Guerra, Editora Artmed, 2011.

Inteligência Humana. Abordagens Biológicas e Congnitivas. José Aparecido da Silva. Editora Lovise, 2003.

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s